Search
Close this search box.

EN

Liderança eficaz: como podemos orientar os colaboradores em tempos de incertezas?

Em um mundo cada vez mais imprevisível, onde a certeza parece ser o único bem escasso, as organizações vêem-se diante de um paradoxo moderno: a necessidade de navegar em um mar de incertezas sem perder o rumo. O Índice Mundial de Incerteza (WUI), em sua trajetória ascendente, não deixa margem para dúvidas quanto ao aumento da turbulência enfrentada por empresas e líderes ao redor do globo. Mas, o que realmente significa liderar em uma era caracterizada por uma sobrecarga de desafios e pressões constantes?

Ao mergulhar nas profundezas da teoria do trabalho a ser realizado, uma ideia inovadora proposta por Clayton Christensen, somos levados a uma reflexão crítica sobre a natureza da liderança em tempos de incerteza. Esta teoria nos convida a questionar a essência da função que líderes desempenham dentro das organizações. Assim, emerge uma interrogação primordial, que ressoa com urgência em um cenário corporativo cada vez mais complexo: Por que, de fato, contratamos líderes? E qual a verdadeira missão esperamos que esses líderes cumpram? Este questionamento não apenas desafia nossas percepções tradicionais de liderança, mas também abre caminho para uma análise mais aprofundada sobre como os líderes podem, verdadeiramente, agregar valor em um ambiente caracterizado pela constante mudança e pela necessidade de adaptação.

Ao olharmos um pouco para trás, podemos nos lembrar da situação vivida por empresas durante a pandemia global. De repente, CEOs e gestores encontraram-se à frente de equipes inteiramente remotas, com a necessidade de tomar decisões rápidas diante de regulamentações em constante mudança e um mercado altamente volátil. Esta realidade obrigou uma redefinição do que conhecíamos por liderança, exigindo uma adaptação quase imediata a um cenário sem precedentes.

Martín Galdeano, CEO da Ford Argentina, descreveu aqueles dias como um momento de transformação significativa para a empresa, em entrevista à Forbes Argentina. “Vivemos um nível de transformação da empresa que, pelo menos a minha geração, nunca havia visto”, ele descreveu sobre o desafio de assumir a empresa em meio à pandemia e com o objetivo de liderar um investimento de US$ 580 milhões. O resultado foi que apesar das incertezas e dificuldades impostas pela pandemia, a Ford Argentina investiu na renovação completa de sua planta e conseguiu aumentar a produção em quase 30% em relação ao período pré-pandêmico. Galdeano destacou a importância de ter uma visão de longo prazo, mesmo em momentos de crise, e como a adaptação às novas demandas do mercado permitiram à empresa não apenas sobreviver, mas prosperar durante um período tão desafiante.  

A primeira resposta que nos vêm à mente é, com certeza, que contratamos líderes para nos guiar através da incerteza. Diante deste panorama, onde a única certeza é a própria incerteza, a demanda por líderes capazes de navegar nessas águas turbulentas se mantém constante e crescente. Entretanto, surge o questionamento: estes líderes estão verdadeiramente preparados para cumprir tal papel? Estão eles equipados, não apenas com a visão, mas também com as habilidades necessárias para liderar eficazmente em um mundo onde o inesperado se tornou a norma?

Liderar durante altos e baixos é uma coisa, mas o que fazer quando os desafios se multiplicam, como temos visto nos últimos anos? Como manter o rumo quando a volatilidade ameaça paralisar a equipe? Como injetar ânimo nos colaboradores e energizar toda a empresa? Com meus mais de 10 anos de trabalho como especialista em treinamento de lideranças e promoção de saúde mental no trabalho, posso dizer que a incerteza extrema não tem de resultar em desânimo, desinteresse ou perda de produtividade. Na verdade, testemunhei muitos exemplos contra-intuitivos em que o desempenho na verdade aumenta à medida que a incerteza aumenta. Como isso é possível?

Embora o líder tenha pouco ou nenhum controle sobre o ambiente competitivo externo, ele tem uma influência surpreendente sobre o ambiente de desempenho interno, incluindo o envolvimento, o moral e a produtividade da equipe. Como podem os líderes ajudar os seus colaboradores a prosperar durante situações de extrema incerteza? Aqui estão quatro estratégias práticas para ajudá-lo a envolver os funcionários nas circunstâncias mais implacáveis:

Crie confiança resistente

Um líder confiável contrapõe a extrema incerteza do ambiente com a extrema previsibilidade do seu próprio comportamento. Quando um líder cumpre as expectativas ao longo do tempo, cria um contrato informal com os funcionários, um vínculo de forte confiança que se reforça mutuamente.

Construir confiança sólida em liderança envolve ação e consistência. Por exemplo, quando um líder se compromete abertamente a não realizar demissões durante um período de crise financeira. Este compromisso, em face de adversidades econômicas, coloca o líder sob uma luz de extrema responsabilidade e integridade. Ao manter sua palavra, realizando cortes orçamentários em outras áreas sem afetar sua equipe, o líder não só cumpre sua promessa mas também demonstra uma forte lealdade aos seus colaboradores. Esse gesto tangível de comprometimento se torna uma prova viva de sua confiabilidade.

Este tipo de ação fortalece a confiança de maneira significativa, porque os membros da equipe veem, em atos concretos, a capacidade do líder de sacrificar outros aspectos em favor do bem-estar coletivo. Não se trata apenas de palavras ou promessas vazias, mas de decisões reais que têm impactos diretos sobre a vida das pessoas. Quando os colaboradores observam essas ações, eles não só ganham uma nova apreciação pela liderança mas também se sentem mais seguros e motivados a contribuir com seu melhor esforço, sabendo que fazem parte de uma organização que verdadeiramente se importa com eles.

Assim, a liderança que aplica consistência, integridade e sacrifício não apenas constrói uma confiança impenetrável mas também cria um ambiente onde os funcionários estão dispostos a enfrentar desafios com otimismo e dedicação. É essa confiança tangível e testada que equipa a equipe para avançar, mesmo diante do incerto, fortalecendo o tecido organizacional com uma determinação coletiva de superar qualquer obstáculo.

Contagiar com Visão

Parte do papel de um líder é pintar um retrato do futuro e inspirar outros em direção a ele. Em tempos de extrema incerteza, uma visão dá às pessoas uma motivação duradoura, além do instinto de sobrevivência, para realizar o trabalho e absorver o estresse. Se você conseguir empacotar a ambição da organização em uma visão bem elaborada, você ajudará os outros a verem a incerteza extrema como uma parte necessária da jornada em direção ao destino final. A visão dá à sua equipe algo estável para se segurar quando as coisas ficam tempestuosas.

Por exemplo, considere a forma como um CEO comunica a transição da empresa para práticas sustentáveis, não apenas como uma resposta às pressões regulatórias, mas como um passo estratégico em direção a uma liderança de mercado sustentável a longo prazo. Esta visão não só clarifica o propósito e a direção da empresa mas também motiva a equipe a adotar novas práticas, enfrentar desafios e ver a incerteza como uma oportunidade para inovar e se destacar.

A genialidade de uma visão bem articulada reside na sua capacidade de proteger contra o desânimo imediato. Ela funciona como um antídoto contra a desmotivação, oferecendo um estímulo contínuo para superar adversidades com uma perspectiva ampliada. Com essa visão em mente, os colaboradores não apenas entendem para onde a empresa está se movendo, mas também reconhecem o valor de suas contribuições individuais para o sucesso coletivo, encarando a incerteza não como um obstáculo, mas como uma etapa essencial no caminho para a realização da visão compartilhada.

Fortaleça a honestidade e a transparência

Um terceiro contrapeso à incerteza extrema é a honestidade e a transparência. Não há nada pior do que um líder tentando criar falsas certezas com uma retórica que não corresponde à realidade. Tentativas carismáticas apenas para acalmar o receio do  time, mas com promessas que não serão cumpridas, são a pior tática que você pode assumir. Já ouvi líderes dizerem coisas como: “O mercado se recuperará nos próximos seis meses”, “Ninguém perderá o emprego”, “essas prioridades estão muito claras e não serão afetadas”, “Este novo produto excederá em muito nossa receita conservadora”.

Sob extrema incerteza, as pessoas tendem a desenvolver inflexibilidade em relação às ameaças e uma capacidade danificada de interagir e tomar decisões. Também criam visões negativas, preenchendo um vazio de comunicação com conversas negativas, interpretações distorcidas, previsões sombrias e cenários fatalistas. É importante expressar confiança na sua capacidade de enfrentar o futuro – apenas certifique-se de não dar garantias infundadas, o que é simplesmente perigoso.

Por exemplo, durante um processo de recuperação judicial, manter a equipe unida e produtiva é um dos maiores desafios que podemos enfrentar. Sabendo que a incerteza pode gerar ansiedade e medo, optar por uma estratégia de transparência radical pode ser muito mais vantajoso. Em vez de pintar um quadro irrealisticamente positivo, escolha compartilhar a realidade crua, preparando sua equipe para os tempos difíceis que virão.

Em vez de deixar um vácuo de comunicação para sua equipe preencher com rumores e especulações imobilizadoras, adote a abordagem oposta, aumentando a qualidade e a frequência da comunicação, explicando claramente que o caminho à frente pode ser repleto de incertezas e que algumas perguntas podem permanecer sem resposta. No entanto, é importante também reafirmar seu compromisso em liderar com integridade, garantindo que qualquer decisão tomada tenha o bem-estar da equipe e a recuperação da empresa em mente.

A comunicação destas verdades óbvias, mas de desarmamento, envoltas num compromisso pessoal, vai ajudar a criar uma qualidade de coesão de equipe.

Transforme a Incerteza em Oportunidade

Navegar pela incerteza pode se revelar uma das estratégias mais eficazes para liderar em momentos desafiadores. As organizações têm, basicamente, dois focos principais: executar as operações do dia a dia e inovar para o futuro. A execução se baseia no aproveitamento do que é conhecido e seguro, utilizando estratégias consolidadas, capacidades estabelecidas e recursos disponíveis. A inovação, contudo, olha para o amanhã, abraçando as incertezas como solo fértil para o crescimento e a descoberta de novos horizontes.

Imagine a incerteza não como uma barreira, mas como uma porta aberta para possibilidades inéditas. É nesse ambiente nebuloso que sua empresa pode identificar e explorar oportunidades únicas, sejam elas novos mercados, produtos inovadores ou potenciais aquisições. Ao adotar essa perspectiva, você não apenas desvincula o medo associado à incerteza, mas também infunde em sua equipe um sentimento de confiança, curiosidade e expectativa positiva.

Em vez de recuar, como muitos podem fazer, sua organização se posiciona para avançar com determinação. Enquanto outros se retraem ou “hibernam”, diante da incerteza, sua equipe se empodera para agir proativamente, buscando ativamente oportunidades e vantagens competitivas que só podem ser encontradas quando se está disposto a explorar o desconhecido. Esse é o momento em que sua organização não apenas sobrevive, mas prospera, transformando desafios em trampolins para o sucesso futuro.

Um exemplo que gosto muito nesse caso é de Satya Nadella, CEO da Microsoft, que diante da incerteza provocada pela rápida evolução tecnológica e mudanças de mercado, conduziu a empresa em uma jornada de transformação. Sob sua liderança, a Microsoft intensificou seu foco em nuvem e inteligência artificial, setores inicialmente repletos de incertezas. Nadella enxergou essas tecnologias emergentes não como ameaças, mas como oportunidades de crescimento. A decisão de investir nesses campos inovadores não só redefiniu a trajetória da Microsoft, mas também estabeleceu a empresa como líder de mercado em novas áreas, demonstrando como a incerteza, quando abraçada como oportunidade, pode ser um poderoso motor de inovação e sucesso.

O futuro exige a capacidade adaptativa de uma organização versátil

Para finalizar, com essas quatro estratégias quero fazer um apontamento simples: durante esses tempos de extrema incerteza, são os líderes que podem proporcionar estabilidade interna diante das dificuldades externas. Cada vez mais, um mundo instável exigirá a capacidade adaptativa de uma organização versátil. Os líderes terão de encontrar formas de criar confiança e continuidade num contexto de extrema incerteza. Podem fazê-lo criando uma forte confiança, inoculando visão, aumentando a honestidade e a transparência e enquadrando a incerteza como oportunidade.

Mais artigos

plugins premium WordPress