Pesquisar
Close this search box.

EN

Além dos algoritmos: O poder da IA inspirada no cérebro para a solução de problemas complexos

A ideia de uma máquina inteligente que pudesse pensar e agir como um ser humano remonta a séculos atrás. No entanto, foi somente na década de 1950 que a IA começou a ser desenvolvida de forma mais concreta. A partir daí, a promessa de uma tecnologia capaz de simular o raciocínio e a tomada de decisões humanas foi amplamente divulgada na ficção científica. Filmes como “2001: Uma Odisseia no Espaço” e “Blade Runner” retrataram máquinas inteligentes com habilidades cada vez mais avançadas. Com o passar dos anos, a IA deixou de ser apenas uma promessa e se tornou uma realidade. Graças ao desenvolvimento tecnológico, é possível criar algoritmos capazes de aprender e tomar decisões por si só. Hoje em dia, a IA está presente em diversos setores, como saúde, finanças, transporte, comércio eletrônico e muitos outros.

Agora, imagine um mundo onde a inteligência artificial não é apenas uma série de códigos e algoritmos, mas uma emulação quase perfeita da complexidade e eficiência do cérebro humano. Cientistas da Universidade de Cambridge, liderados por Jascha Achterberg, estão trilhando esse caminho. Eles descobriram que ao aplicar restrições físicas em sistemas de IA – imitando as limitações do cérebro humano – é possível desenvolver características semelhantes às dos cérebros de organismos complexos. A equipe de pesquisa utilizou redes neurais artificiais, uma técnica muito empregada na IA que simula o funcionamento do cérebro. O estudo destaca a importância da neurociência no desenvolvimento da IA, fornecendo insights cruciais sobre como o cérebro humano processa informações.

Ao observar a organização de sistemas neurais como o cérebro, os cientistas de Cambridge identificaram a necessidade de equilibrar demandas concorrentes, uma característica fundamental para resolver problemas complexos de maneira eficiente. O cérebro humano se destaca não apenas por sua capacidade de resolução de problemas complexos, mas também pelo uso eficiente de energia. Isso levou os pesquisadores a questionar como a imposição de restrições físicas em sistemas de IA poderia resultar em características semelhantes aos cérebros de organismos complexos.

No estudo, recentemente publicado na Nature Machine Intelligence, Achterberg e sua equipe desenvolveram um sistema artificial destinado a modelar uma versão simplificada do cérebro humano, aplicando restrições físicas. Em vez de neurônios reais, o sistema usou nós computacionais, semelhantes em função aos neurônios, mas com uma organização baseada em restrições físicas.

O sistema foi desafiado com uma tarefa de navegação em labirinto, uma versão simplificada daquelas dadas a animais em estudos neurocientíficos. O feedback fornecido ao sistema durante a tarefa resultou em ajustes na força das conexões entre seus nós, semelhante à forma como as conexões entre células cerebrais mudam à medida que aprendemos. Notavelmente, o sistema desenvolveu hubs altamente conectados, semelhantes a canais de passagem de informações encontrados nos cérebros humanos reais.

Além disso, os perfis de resposta dos nós individuais demonstraram flexibilidade, codificando uma variedade de propriedades da tarefa. Isso contrasta com a abordagem tradicional em que cada nó codifica uma propriedade específica da tarefa. Essa flexibilidade na codificação de informações é uma característica compartilhada com os cérebros de organismos complexos.

Os pesquisadores acreditam que essa abordagem poderia oferecer insights muito importantes sobre as diferenças individuais nos cérebros e contribuir para o entendimento das dificuldades cognitivas e de saúde mental. Os sistemas de IA desenvolvidos podem proporcionar uma compreensão única de como as restrições físicas moldam as características cerebrais e podem ser usados experimentalmente para replicar padrões cerebrais específicos.

Essas descobertas têm implicações significativas no design de futuros sistemas de IA. Ao considerar as restrições físicas na concepção de arquiteturas neurais, a ciência pode desenvolver sistemas mais eficientes, especialmente em situações com limitações de recursos. Essa abordagem também destaca a importância de alinhar a arquitetura dos sistemas de IA com os desafios específicos que eles enfrentam, levando a estruturas mais semelhantes aos cérebros humanos.

O estudo abre novas portas para a compreensão do cérebro humano e para o avanço da inteligência artificial. É um passo importante na jornada para desvendar os mistérios do cérebro e aplicar esses conhecimentos na criação de tecnologias mais avançadas e humanizadas. Ao buscar soluções para desafios similares aos humanos, os sistemas de IA podem evoluir para se assemelhar mais aos cérebros reais do que às arquiteturas convencionais. Isso tem implicações na criação de robôs e sistemas de IA implantados no mundo físico real, onde enfrentam desafios semelhantes aos humanos, como processar informações em constante mudança com recursos energéticos limitados.

Um verdadeiro vislumbre do futuro, onde a IA não apenas imita, mas se inspira no funcionamento complexo e eficiente do cérebro humano. Interessante, não é mesmo? 

Mais artigos

plugins premium WordPress